A QUE PONTO CHEGAMOS!

Por Tony Sousa



A que ponto chegamos!

Na década de 1980 a maior batalha que enfrentávamos era contra os "Mórmons" e as "Testemunhas de Jeová", lutávamos para fortalecer os crentes na Palavra de Deus e para não voltarem para o mundo!

Hoje, temos que convencer (ou tentar convencer) os crentes de que Deus ama a todos, que Jesus morreu por todos, ou que o Senhor não é o autor do pecado! Temos que ouvir pregadores dizerem que, não basta ter base bíblica, tem que ter o aval de certos teólogos (papas do protestantismo), e nenhum pregador politicamente correto pode repudiar tal afirmação sob pena de não ser bem visto pela clientela. A religião virou um negócio. O protestantismo está pior do que o catolicismo, eles pelo menos declaram que têm duas regras de fé e prática (Bíblia e tradição eclesiástica). Algumas igrejas evangélicas declaram os cinco solas, mas mentem descaradamente seguindo cartilhas de homens equivocados e que foram carrascos algozes de outros crentes que não criam em suas cartilhas. É vergonhoso vermos homens de Deus defendendo os pecados de outros homens para parecerem politicamente corretos enquanto são incoerentes com Cristo e com o evangelho.

A Igreja evangélica perdeu o seu lugar na sociedade, perdeu o respeito! Que Deus tenha misericórdia! A culpa é nossa que aceitamos líderes religiosos bem intencionados e zelosos pregarem qualquer coisa sem questionarmos. Nós deixamos de obedecer a Bíblia.

Embora os apóstolos fossem autoridade máxima na transmissão do evangelho, eles elogiaram a igreja de Bereia, cujos crentes foram mais nobres do que os crentes de Tessalônica. Foram chamados de nobres porque examinavam as escrituras para saber se os apóstolos estavam mentindo em suas pregações. Há crentes que estão canonizando ensinos distorcidos por não submeterem tal ensino ao crivo das escrituras. Foi assim que uma comissão de bispos, zelosos por Deus a princípio, gerou aquilo que conhecemos hoje como vaticano e tornou-se aquilo que a Bíblia Sagrada chama de Babilônia.

Qualquer cristão minimamente sensato logo irá perceber que em João 3:16, quando é dito que Deus “amou o mundo de tal maneira”, a expressão “de tal maneira” nos leva a crer em algo grande, magnífico, em uma completa expressão de amor. Esta magnitude do amor divino, rompe qualquer limite teológico dos "alguns", dos "poucos" e dos "eleitos" destinados a salvação.

Isto me faz lembrar, o que Laurence Vance disse: “O Deus do calvinista é como o sacerdote e o levita que ‘passaram de largo’ pelo homem ‘meio morto’ na parábola do bom samaritano (Lc 10:31-32). E pior ainda, Deus também seria como os salteadores que ‘o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto’ (Lc 10:30). O samaritano que ‘aproximou-se’ (Lc 10.34), o Senhor ordenou: ‘Vai, e faze da mesma maneira’ (Lc 10.37). Certamente o Senhor pratica o que recomenda”.

Lá fora estão as almas perdidas e do lado de dentro um sistema religioso, que ao longo dos anos abandonou a Bíblia para seguir a tradição dos homens.

A situação tem remédio, basta apresentarmos Jesus, SOMENTE ELE, com muita simplicidade! JESUS é o único remédio para as almas que estão perdidas.

Tecnologia do Blogger.